O que é o sonambulismo e como atuar

A imagem tradicional que temos do sonâmbulo é de alguém que caminha pela casa a emitir sons, como estivesse a ressonar acordado. A realidade? O sonambulismo é, factualmente, uma doença, pertencendo à categoria das doenças do sono.

Durante um episódio, o sonâmbulo caminha de forma ordenada, pode apresentar os olhos abertos, contudo estar inconsciente, tendo, por isso, um olhar vazio. Tem um discurso incoerente, caso fale, e ao acordar não terá memória do sucedido.

Se for acordado, ou contrariado, durante o episódio, há a possibilidade de ter uma reação agressiva.

Um episódio não dura mais de 10 minutos, contudo, o verdadeiro perigo está nos acidentes que o sonâmbulo pode provocar, por exemplo, podendo cair numas escadas, ou partir objetos. Daí se aconselhar que, caso resida com uma pessoa com propensão para estes episódios, bloqueie o acesso a escadas e a objetos de valor elevado. Caso sejam episódios recorrentes considere fazer exames para o despiste da epilepsia, por exemplo.

Mas então, o que pode causar o sonambulismo? Comecemos pelo óbvio, privação de sono. A falta de hábitos saudáveis de sono podem levar a episódios, bem como consumo excessivo de álcool ou outras substâncias que afetem o sistema nervoso. Outra causa surpreendente é o excesso de exercício físico, adicionalmente a febre e a falta de magnésio podem gerar episódios.

O sonambulismo começa a manifestar-se a partir dos 5/6 anos, sendo mais comum no sexo masculino e apresentando tendências familiares. Estima-se que 10% a 20% das crianças têm, pelo menos, um episódio. A hipótese de prevalência está entre os 1% e os 5%, sendo que nos adultos a incidência está entre os 1% e os 7%.

Como evitar? Pratique uma alimentação saudável e equilibrada, continue a praticar exercício físico na medida certa. Melhore os seus hábitos de sono, durma as horas recomendadas, com a qualidade necessária. E se tiver dificuldade nesta última recomendação? Pode sempre conhecer a nossa linha de produtos aqui (LINK), e começar a ter um novo acordar, em vez de “andar a dormir.”